terça-feira, 6 de junho de 2017

quase milonga

de milongas eu encho minha mente
enquanto eu deixo que entre si  conversem
e depois uma ideia me reservem
para as coisas que me vêm pela frente

uma palavra, entre silêncios, isolada
como nas pausas desta quase milonga
sem raiva, ressentimento, sem medo de nada
até sem som...    mas um compreendimento que me responda

terça-feira, 23 de maio de 2017

talvez eu seja a aposta errada
talvez eu fosse: não deu em nada
...intruso no planeta
se cada um nasce pelado
somos todos da sarjeta

fome, frio, medo na parada
é o que deus reservou à prole amada
a gente se ajeita
como pode um desesperado
ou seja, a gente enfrenta

quinta-feira, 23 de junho de 2016

a hora é essa
vou agir nem que seja com pressa
como vítima da intuição
é que meu futuro
no passado já se mostrou muito curto
o rastro do furacão

que seja de pressa
não como os dias de quem passa embriagado
e suas coisas das quais ficou de lado
o que jamais regressa
mas se as horas parecem presas na parede
te lembra que a tua vida é feita dessa rede



se trilhas fossem escolhidas pelo gosto
e não escapadas dos males que se teme
até diria que é um deus quem julga
as cargas perenes nos meus ombros
e nas solas andarilhas dos meus tênis
como se andar sempre fosse fuga

então quando surjam umas rugas
que sejam o que reconfigura
a cara ao caráter que se apura
por trás da máscara do cara

alguma lágrima vertida se enxuga
na aspereza desta pele por fora
mas dentro do peito o espírito transborda
e mantém minha matéria em fúria


domingo, 8 de maio de 2016

famigerados cidadãos de bem,
me mata saber se isso é cinismo ou se é maldade
mas não é ingenuidade!
sinceramente não creio que alguém
de coração bom e leve, caia no blefe
de quem rouba e fere

Mas se depender de nós pode ser que um dia
o ódio se arrefece
mas até lá teremos que ser
bravos... como Dilma Rousseff

nós, contra a correnteza de mentiras
destinados a revelar sua imensa hipocrisia
Mas conseguiram dar o golpe de vocês
maldito ano de dois mil e dezesseis!
Aqueles que morreram pela Democracia
vocês assassinaram outra vez
é difícil descortinar a realidade
e tirar cada um dos 7 véus
seria tarefa para deus
se ele tivesse mãos e vontade

como nada fazem mãos em prece
se o mundo não acontece nos céus
não bastam, então, os olhos seus
para ver, seja um que merece

mas como olhos de águia veem apenas ratos
e a lente do crente não vê mais nada
tenha olhos rasos d’água por qualquer barato
deixa despretenciosa a alma preparada

pra poder ver o que não é de rastro
o que tampouco é de visão
um pouco de coração, que não é exato
ou será cego entre cegos na multidão

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

qual a tua emoção preferida?
não há nenhuma que dure uma vida,
onde há tempos de pura amargura
e que tornam sempre a trilha mais dura

alguma que te cure as feridas?
uma das boas que te paralise
que te salve das cercas rígidas
qualquer uma que te faça livre

não dá pra eleger a emoção
nem saber qual de todas escolherias
como num sonho em que o segredo se abria
mas onde a Vontade não era ação